Monte Roraima

Monte roraima

Monte Roraima é a montanha mais antiga do mundo e também a que tem o maior cume plano do planeta. Sua formação vem da era Pré Cambriana há cerca de 2 bilhões de anos atrás. Isso significa que o Monte Roraima já existia quando os únicos seres vivos da Terra eram apenas bactérias. Dada a sua importância geológica, vamos para a aventura.

O ponto de partida é a cidade de Boa Vista/RR. Após ler dezenas de matérias sobre as expedições ao Monte Roraima, cheguei na cidade com 1 mês de antecedência para me organizar, pois não tinha fechado com nenhuma empresa. Acabei escolhendo a Destiny, do guia Leopoldo, por ter um preço super acessível e compatibilidade de data.

venezuela

Peguei um ônibus até a cidade de Pacaraima que faz fronteira com a Venezuela e sofre com a imigração excessiva de venezuelanos. Ao chegar na rodoviária, o motorista do transfer estava nos esperando para ir à cidade de Santa Helena de Uairen.

Paraitepuy – Acampamento Tek

No dia seguinte, levamos 2 horas em um carro 4×4 até comunidade indígena de Paraítepuy, local de início da caminhada ao Monte Roraima. Após um breve lanche de almoço, começamos nosso primeiro dia de trilha. Foram 4 horas até o acampamento Ték, de caminhada tranquila e com um lindo visual.

kukenan

A região é formada por 7 tepuys (montanhas) e caminhamos todo o tempo olhando para o Kukenan e o Monte Roraima. Após o banho de rio (gelado) e de uma boa refeição, dormimos com a bela paisagem.

Acampamento Base

No segundo dia de trilha, caminhamos sob sol forte aprox 12 km até a base do Monte Roraima, perguntando ao guia como subiríamos aquela parede tão íngreme. Por todo caminho existem diversos pontos de água, sendo suficiente carregar 1 garrafa de 1 litro.

Os guias e carregadores cuidaram de toda logística, como alimentação, barraca, banheiro e transporte dos materiais coletivos. Caso você precise de carregador particular para levar sua mochila, é possível contrata-los. Eles carregam no máximo 15 kg e cobram por volta de 80 reais.

mapa da trilha

Subida do Monte Roraima

Terceiro dia! Hora de colocar as pernas para trabalharem. Poucos km porém super inclinados. Passamos por alguns mirantes e conseguimos, pela primeira vez, encostar na parede vertical do Monte Roraima. A parte final da subida é o Vale das Lágrimas, uma parte inclinada, bastante exposta da trilha e que fica molhada devido ao gotejamento de água vinda do topo.

Desafio vencido e finalmente chegamos ao topo. As formações rochosas de diversos tamanhos e formatos criam um labirinto fácil de se perder. Por isso que é obrigatório a contratação de guia.

cume monte roraima

Lá em cima, diversas cavernas formam nossos abrigos chamados de “hotéis” pelos guias locais. Logo após a chegada tomamos banho nas jacuzzis, pequenas piscinas de água gelada.

Tríplice Fronteira

No quarto dia nos separamos do grupo, pois nossa expedição era de 7 dias enquanto o grupo iria fazer em 8. Caminhamos cerca de 30 minutos para um mirante onde era possível ver a imensidão das montanhas. Depois fomos para o ponto tríplice, local onde está a divisa da Venezuela, Brasil e Guiana.

Bem próximo, é possível conhecer conhecer o Vale dos Cristais. Local coberto de cristais por todos os lados. Lembre-se que é proibido leva-los embora, mesmo que seja a menor pedrinha (há revista minuciosa). Como se não bastasse tanta beleza, nosso almoço foi no El Fosso. Um cenote, também de água gélida, lindo! Sem palavras para descreve-lo.

Jacuzzi monte roraima

Quinto dia reservamos para conhecer o ponto culminante do Monte Roraima, a Pedra Maverick. Seu nome é pela semelhança com o formato do carro. No topo dos seus 2810m de altitude conseguimos ver toda a trilha que percorremos até chegar alí, além da majestosa vista do Kukenan.

Tempinho sobrando e ainda conhecemos La Ventana. Uma pedra que é possível ficar bemmmm na pontinha. Cuidado quem tiver vertigem de altura.

Monte Roraima é difícil?

Sexto dia! Hora de arrumar as mochilas e partir. Saímos do “hotel San Francisco” e fomos diretamente para o acampamento Tek. Uma longa trilha que nos deixou bastante cansados. Banho de rio e cama!

Nosso sétimo dia, foi a chegada ao ponto de início em Paraitepuy. Novamente uma trecho mais tranquilo, porém com sol bastante forte. Na chegada um cafezinho com uma moradora da comunidade e a revista das mochilas. Sim! não se pode voltar com NADA de lá.

maverick stone

No geral a trilha é fácil, com bastante exposição ao sol e uma subida íngreme no terceiro dia. A grande questão para o trilheiros é o peso da mochila e as bolhas nos pés.

A montanha tem um microclima bem peculiar, podendo chover e molhar tudo em 1 minuto e logo depois abrir um sol forte. Então preparem-se para isso levando capa ou casaco impermeável.

Qualquer dúvida podem me chamar no instagram! @pepefiamoncini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *